Quinta, 05 Julho 2018 13:12

CPP vai cobrar reajuste de 10,15% do governador

Avalie este item
(5 votos)

Aposentados não foram lembrados em anúncio de investimentos para a Educação; entidade emitiu ofício para tratar de reivindicações

Nesta terça-feira (3), em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, o governador Márcio França (PSB) anunciou, com pompa e circunstância, investimentos de R$ 430 milhões para a Educação Paulista. Já disponível a partir deste segundo semestre, a verba deve ser destinada a projetos de infraestrutura escolar, realização de concurso para Supervisor de Ensino, retomada da Prova Mérito, formação continuada, entre outros. Não houve sinalização, no entanto, para o reajuste de 10,15%, assim como qualquer benefício para servidores aposentados.

Em 7 de junho, em reunião com a diretoria do CPP na cidade de São Carlos, Márcio França se comprometeu a dar respostas sobre o reajuste de 10,15% para professores da rede estadual, barrado por liminar da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia. O governador, que dias antes havia se encontrado com a ministra, afirmou que a negociação apontava para sucesso e que em cerca de 20 dias teria posição concreta. Disse, inclusive, que parcelaria o pagamento em três vezes.

O prazo informado se passou e o tema não foi sequer mencionado no pacote de investimentos anunciados esta semana. França direciona todos os holofotes para supostas ações de melhorias da Educação, colocando a área como bandeira de sua campanha eleitoral, mas se esquece do mais importante: garantia de salário digno, única política que beneficia profissionais da ativa e aposentados, é que demonstra preocupação de fato com a carreira do magistério.

O CPP vai cobrar do governador Márcio França iniciativas no sentido de cumprir o acordo relacionado aos 10,15% de reajuste salarial. O governo precisa protocolar junto ao STF petição em que apresente condições de pagar o índice e como pretende fazê-lo. Esse é o caminho necessário para que a liminar de suspensão do reajuste imposta pela Suprema Corte perca efeito. A entidade emitiu ofício para tratar das reivindicações.

12 comentários

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.