Sexta, 29 Janeiro 2021 18:40

CPP continuará em defesa da vida e lutará de forma mais incisiva

Avalie este item
(4 votos)

Categoria do magistério paulista pode entrar em greve caso o governo insista em aulas presenciais sem vacinação


O Centro do Professorado Paulista lamenta a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que, na tarde desta sexta-feira (29), autorizou a volta das aulas presenciais no estado de São Paulo, em fevereiro. O retorno havia sido suspenso na quinta-feira (28) por decisão de primeira instância.

Infelizmente, o presidente do TJ, desembargador Geraldo Pinheiro Franco, afirmou que "a proteção à vida sempre prevalece, mas tem de ser dinamizada como fundamento para o fechamento das escolas". Para Franco, a decisão da juíza Simone Casoretti levaria, na prática, "a um lockdown, o que não cabe ao Judiciário decretar".

A ação contra a volta às aulas foi apresentada pelo Departamento Jurídico do CPP e outros sindicatos (Afuse, Apase, Apeoesp, Udemo e Afepesp).  A magistrada da primeira instância argumentou que as medidas de proteção aos professores são insuficientes e que o Estado deveria aguardar a vacinação da categoria antes de adotar a medida.

O governo de São Paulo recorreu ao TJ e obteve com a decisão de Franco o direito de reabrir as escolas no estado. "Vamos brigar até o fim. Nosso Departamento Jurídico entrará com medida para derrubar essa insensatez do governador. É uma arbitrariedade e uma irresponsabilidade retornar às aulas com a pandemia em alta e ainda com uma nova variante do vírus, que é mais contagiosa. Não podemos aglomerar pessoas. Isso é uma insensatez sem tamanho", diz Silvio do Santos Martins, segundo vice-presidente do CPP.

A diretoria do CPP preza pela vida dos profissionais da Educação neste momento porque conhece a realidade escolar, suas características e fragilidades. Diversos países que reabriram as escolas precipitadamente precisaram reavaliar o processo de reabertura, pela insegurança gerada em meio ao aumento de casos de Covid-19, a exemplo dos EUA, França, Israel, entre outros. O CPP, representando 120 mil professores do estado de São Paulo, não aceita a reabertura das escolas no auge da pandemia. Mesmo porque, assim como outras entidades da categoria, não foi convidado pelo secretário da Educação, Rossieli Soares para debater o retorno das aulas presenciais.

O CPP tem plena convicção de que somente após a imunização dos profissionais da Educação o retorno às aulas presenciais será seguro e efetivo. Até lá, o ensino remoto segue como aliado. Vale enfatizar: professores não estão em férias. O magistério continua trabalhando, e muito, na tentativa de amenizar o problema causado pela pandemia.

O secretário de Educação deveria dialogar com a classe, em vez de ser arbitrário.

Lido 3344 vezes

14 comentários

  • Link do comentário Deborah gualiato Domingo, 31 Janeiro 2021 18:57 postado por Deborah gualiato

    As salas da minha escola não tem janelas, não há circulação de ar, não possue merendeiras, e uma única funcionária de limpeza para uma escola com 31 salas de crianças de 6 à 11 anos. Será um covideiro

  • Link do comentário Regina Helena de Carvalho Domingo, 31 Janeiro 2021 17:03 postado por Regina Helena de Carvalho

    Esta pandemia já deixou claro que é extremamente perigosa e de alto poder de contaminação. Sabemos que crianças se contaminam facilmente, que muitas não adoecem, mas transmitem o vírus por onde passam. Muitos professores tiveram contato com pessoas da família que se infectaram e vieram a óbitos e que, além de estarem ainda sob forte impacto, tem muito medo desse retorno. A pandemia se encontra no pico da periculosidade e todos nós funcionários teremos que ficar em ambientes fechados com pouca ventilação, escolas sem estrutura para manter o protocolo e isso só porque a pesquisa mostrou que os pais desejam o retorno das aulas? É uma decisão demagógica e eleitoreira. É preciso um parecer de médicos e não de políticos

  • Link do comentário Marizilda Lauro Labruna Domingo, 31 Janeiro 2021 14:20 postado por Marizilda Lauro Labruna

    Louvável todas essas atitudes, mas um pergunta que não pode ser calada:
    como fica o nosso desconto absurdo determinado por esse governador irresponsável e insensível! Não é possível ter mais de RR $ 300 ,00 descontado por mês!

  • Link do comentário Luiz Francisco de Sousa Domingo, 31 Janeiro 2021 10:38 postado por Luiz Francisco de Sousa

    Minha Readaptação foi cessada fiz a perícia de manutenção da mesma em novembro recebi a notícia de estar cessada no.DO de ontem 30/01 não tenho condições de voltar a ministrar aulas por vários problemas psicológicos e psiquiátricos. O que faço agora? Queria um retorno.
    CPP: encaminhado à Procuradoria. Aguarde retorno por e-mail.

  • Link do comentário ZENAIDE PEIXOTO DOS ANJOS Sábado, 30 Janeiro 2021 23:07 postado por ZENAIDE PEIXOTO DOS ANJOS

    Fico decepcionada com as perdas de liminares a favor do professores, perdemos a contagem de direitos para a licença prêmio e quinquênio, mudança de idade para se aposentar...por quê tantas perdas?
    CPP: encaminhado à Procuradoria. Aguarde retorno por e-mail.

  • Link do comentário MARLI FERREIRA Sábado, 30 Janeiro 2021 18:44 postado por MARLI FERREIRA

    Sou professora de escola particular e as aulas devem voltar sim. Vejo colegas de trabalho indo para a 25 de março, levam seus filhos, vai para praia, parques. Mas lecionar não podem?! Correm risco !?
    O professor de escola pública vai ter seu salário no final do mês, mas professores de escolas privadas foram demitidos e se não puderem retornar não terão salário. Muitos foram demitidos e estão aguardando voltar as aulas presenciais para ter seu emprego novamente.
    É muita hipocrisia.

  • Link do comentário Mariza vieira teixeira Sábado, 30 Janeiro 2021 16:16 postado por Mariza vieira teixeira

    Estou com vocês com relação à volta as aulas presenciais. Os professores da ativa deveriam ser prioridades na vacinação.
    Mas, um outro assunto ,que deveria estar em pauta e, estar na mídia é o confisco que o doria está fazendo no salário dos apose tados e pensionistas.
    Tenho tentado me comunicar com a mídia, mas está sendo infrutífero.
    Acredito que vocês como entidade representativa tenham acesso mais fácil.
    Obrigada.

  • Link do comentário Elizete Machado Sábado, 30 Janeiro 2021 15:25 postado por Elizete Machado

    Sou saudável mas do grupo de risco. Pelo site do governo sou, faço parte dos que serão vacinados em breve. A categoria como um todo tem que ser vacinada, juntamente com outros profissionais da?educaç (porteiro, inspetor, merendeira etc).
    Eu gostaria de ser vacinada o mais rápido possível, porque quero estar junto com os alunos.
    Comi entidade da educação todos tem plena consciência do estragou que esta sendo feito na educação.
    Digna se de passagem, já não andava muito bem...

  • Link do comentário Marilza Emed Sábado, 30 Janeiro 2021 14:25 postado por Marilza Emed

    Concordo plenamente.
    E mais, deveriam esperar o reinício presencial após a vacinação de todos os alunos.

  • Link do comentário Rosangela Teresinha Cruz Saldanha Sábado, 30 Janeiro 2021 13:41 postado por Rosangela Teresinha Cruz Saldanha

    Essa ação se faz urgente!!
    Vamos convocar greve por volta as aulas presenciais somente com vacinação dos professores!! Nossas vidas estão em jogo!

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.