Sexta, 05 Abril 2019 17:45

O Menino que Descobriu o Vento reforça poder da educação

Avalie este item
(9 votos)
O Menino que Descobriu o Vento reforça poder da educação Foto: reprodução

Baseado em fatos reais, filme da Netflix conta história do garoto africano que mudou a vida da comunidade com o que aprendeu na escola


A sexta-feira chegou e nem toda dica cultural para o final de semana requer saída de casa. Excelente programa pode ser feito, muitas vezes, manuseando o controle remoto, mais precisamente navegando pela Netflix. É o caso do longa "O Menino que Descobriu o Vento", dirigido por Chiwetel Ejiofor, que conta a história de um menino africano que salvou seu vilarejo da fome e da seca. Tudo a partir do que aprendera na escola.

O filme é baseado em fatos reais, na história de William Kamkwamba, garoto de 13 anos que mudou a realidade do país africano Malawi. Uma forte seca assolava o vilarejo onde ele vivia, impedindo plantações de crescerem e causando fome. Foi quando o jovem desenvolveu uma espécie de moinho e sistema de bombeamento de água, salvando toda a comunidade.

O ponto alto da obra é o que contribuiu para a iniciativa de William: a educação. A escola sempre fora, na visão dele, oportunidade de mudar a vida da própria família. No entanto, dificuldades financeiras, acentuadas pela seca, impediram pagamento de mensalidade escolar, o que levou o garoto a aprender sozinho, apenas com apoio da biblioteca da escola.

Foi um livro sobre engenharia e energia eólica despertou o interesse do africano, que buscou todos os materiais necessários para construção do sistema de água, porém não sem obstáculos. Quer saber de tudo? Não perde tempo e corre já para a Netflix. A história, que conquistou o mundo primeiramente por meio de um livro autobiográfico lançado em 2009, é de encher os olhos.

Um depoimento do próprio William pode ser conferido (depois do filme, é claro!) na plataforma TED

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.