Terça, 19 Janeiro 2021 01:41

Janeiro Branco: hora de focar na saúde emocional dos professores

Avalie este item
(7 votos)

Os sofrimentos psíquicos gerados pelo estresse profissional não são novidade, sobretudo aos professores. Mas, em meio à pandemia, a preocupação com a saúde mental chamou tanto a atenção que mereceu espaço até mesmo no Enem, que protagonizou o assunto como tema da redação.

Um fator que reforça o debate é o Janeiro Branco, campanha que procura sensibilizar os poderes públicos e as instituições sociais para a importância da saúde mental, criada por psicólogos mineiros, em 2014.

Acompanhe as explicações da neuropsicopedagoga Priscilla Amaral, convidada pelo Portal CPP para focar os aspectos psicológicos que afastam mais de 40% dos professores do trabalho em função de distúrbios como ansiedade, depressão, síndromes do pânico e de Burnout.

Portal CPP: o Brasil é o país mais ansioso do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Como conscientizar e informar os profissionais da educação, especialmente os professores, acerca da importância de preservar a parte emocional, frente aos desafios da epidemia do coronavírus?

Priscilla Amaral: Referente aos professores e profissionais da educação, sabemos que sempre precisamos estar bem emocionalmente e fisicamente para ministrarmos boas aulas, lidarmos bem com os alunos e demais dificuldades que enfrentamos em nosso oficio.

Neste momento difícil é importante para a nossa saúde emocional e mental que realizemos atividades de lazer com nossos familiares. Façamos atividades físicas, além de ser fundamental evitarmos assistir a noticiários e programas sensacionalistas por muitas horas, além de nos alimentarmos adequadamente e dormirmos no mínimo 8 horas por dia. Respeitando os limites de nosso corpo e cuidando de nossa saúde mental através de leitura e demais dicas acima, continuaremos a nos preservar emocionalmente.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) aponta a importância das escolas trabalharem as habilidades socioemocionais dos alunos para que se tornem adultos lúcidos e seguros. Como ampliar o olhar dos estudantes para a importância da área emocional?

De fato, a BNCC valoriza os estudantes em sua singularidade e diversidade, afirmando que toda criança, jovem ou adolescente, deve ter oportunidades para saber ser criativo, analítico-crítico, colaborativo, resiliente, aplicar conhecimentos para resolver problemas, ter autonomia para tomar decisões, entre outras características.

Com nossos alunos, podemos desenvolver atividades especificas para que haja o desenvolvimento dessas habilidades tais como dinâmicas de grupo a fim de trabalhar a importância da empatia e através de atividades lúdicas como teatrinhos – histórias que abordem a importância da resiliência, da autonomia para tomar decisões, dentre outras habilidades importantes.

Que medidas são capazes de eliminar, senão atenuar o afastamento dos professores por problemas psicológicos que tão explicitamente impactam a qualificação da educação pública de São Paulo?

Medidas como praticar exercícios físicos, meditar, alimentar-se de maneira saudável, ”dar” risada, são de fundamental importância para eliminar ou então atenuar a depressão e a ansiedade. Nós, professores, mesmo com tantos afazeres precisamos desse tempo para nós. Dependendo do caso, administrar medicamentos e psicoterapia podem  ser necessários e, por isso, é importante procurar um bom profissional da saúde mental logo que comece a apresentar os sintomas. Muitas pessoas sentem vergonha devido ao estigma que ainda causa e por isso não comentam com ninguém e nem procuram ajuda, mas devemos romper essas barreiras para termos mais qualidade de vida.

Palestras e orientações quinzenais ou mensais, por parte de convidados da coordenação especializados em saúde mental, também poderão auxiliar o corpo docente de forma significativa. 

* Priscilla Amaral é pedagoga, neuropsicopedagoga, psicomotricista, especialista em transtornos do espectro autista e em deficiência intelectual. Autora dos livros " Autismo no tempo da delicadeza" e "Transtornos de conduta-síndromes diversas"; professora de Sala de Recursos pela Diretoria Sul 1, na capital paulista.

Lido 689 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.