Terça, 16 Abril 2019 18:13

Bullying: um dos problemas mais graves da adolescência

Avalie este item
(0 votos)

Escolas de todo o Brasil reforçam a importância de iniciativas para conscientizar os alunos


Um dos problemas mais graves enfrentados por crianças e adolescentes em todo o mundo, o bullying merece atenção de familiares e professores. Globalmente, cerca de 150 milhões de jovens entre 13 e 15 anos de idade sofre bullying, segundo dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Isso quer dizer que um em cada três estudantes nesta faixa etária já passaram por essa situação. E ainda, em 39 países avaliados, três em cada dez estudantes admitem já ter praticado bullying com seus colegas.

Em vista desse cenário desafiador, escolas parceiras do Sistema de Ensino Poliedro de diversas regiões do Brasil criaram iniciativas para combater esse problema. O projeto “Bullying não” foi desenvolvido pelo Colégio Ieprol, em Itabuna (BA). Com base em um bate papo, criação de cartazes, troca de informações e muito sentimento envolvido sobre o tema bullying, as turmas dos 6ºs e 7ºs, anos tratam do assunto de forma descontraída.

Já o Colégio Ser!, de Sorocaba (SP), acredita que o educador, com sua sensibilidade e modelo de conduta ética, é peça-chave nesse processo. O educador, seja pai ou professor, precisa estar consciente desse papel. Por esse motivo, o Colégio investe neste tripé. Na preparação de seus profissionais, na orientação aos pais e promovendo o desenvolvimento contínuo das habilidades socioemocionais para os alunos por meio da diretriz curricular de aprendizagem emocional – Ser! Completo.

O Colégio Albert Sabin, em São Paulo (SP), por sua vez, desenvolve há três anos um trabalho com os funcionários do colégio para que saibam mediar conflitos. A ação é efetuada em conjunto com o Gepem (Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral), de pesquisadores da USP, Unifesp, Unesp e Unicamp. O grupo estudou por anos o cotidiano de diversas escolas e observou que as estratégias de regras claras de disciplina e administração justa de punições e recompensas, são insuficientes.

“Estamos fazendo uma reflexão profunda sobre a postura do professor como mediador de conflitos”, diz a coordenadora do Fundamental I do Colégio Albert Sabin, Dionéia Menin. "A ideia é não conter conflitos pela autoridade do professor, mas aproveitá-los como oportunidades para que os alunos expressem seus pontos de vista, entendam o outro e cheguem a conclusões sobre certo e errado (autonomia)", completa.

Também com o mesmo objetivo, durante o mês de maio, o Colégio São Francisco Xavier, de Ipatinga (MG), fará um trabalho preventivo sobre o bullying. A iniciativa envolverá o Ensino Fundamental I e adota uma perspectiva preventiva e, ao mesmo tempo, transformadora de personalidades. O objetivo é fazer com que as crianças se sintam confiantes e seguras para trazer esse tipo de denúncia para a escola e não se sintam pressionadas, julgadas ou criticadas. A escola quer ensiná-las a identificar os casos de bullying e incentivá-las a procurar a ajuda dos colaboradores e professores da instituição.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.