Sexta, 31 Maio 2019 09:45

Meirelles quer regularizar orçamento da educação de SP até 2020

Avalie este item
(1 Voto)
Meirelles quer regularizar orçamento da educação de SP até 2020 Foto: José Antonio Teixeira/Alesp

Secretário da Fazenda de São Paulo ressalva que prazo pode ser reavaliado caso arrecadação não suba

Contestada pelo Ministério Público de Contas, a inclusão do pagamento de serviços inativos no orçamento da educação do Estado de São Paulo deve ser revertida até o fim de 2020. A previsão é do secretário da Fazenda, Henrique Meirelles.
 

Caso a arrecadação não aumente conforme o esperado, porém, o prazo pode ser revisto.
 

O político deu a estimativa à imprensa após ser perguntado, ao fim de uma apresentação que fez na Assembleia Legislativa (Alesp) na quarta-feira (29).
 

Cerca de R$ 6 bilhões em pagamentos para servidores inativos foram computados no orçamento da área em 2018. A manobra é irregular e infla os números de uma área socialmente sensível.
 

Meirelles foi à Alesp explicar as contas do governo do Estado referentes ao primeiro quadrimestre de 2018, quando ainda não estava na administração estadual.
 

Na sessão, foi questionado sobre a irregularidade - anterior à sua gestão - e como lidaria com o assunto. "Não se pode, no setor público, tomar atitudes bruscas", disse.
 

A resolução desse problema contábil é, na prática, destinar mais dinheiro para a educação. Por isso Meirelles faz a ressalva da arrecadação.
 

Ele cita privatizações e concessões como possíveis fontes de recursos.
 

Uma das ações mais rendosas planejadas pelo governo, a privatização ou capitalização da Sabesp, depende de uma definição de Brasília para ser decidida.
 

"Estamos aguardando o marco regulatório para saber se é capitalização ou privatização", disse Meirelles aos deputados estaduais.
 

A Medida Provisória do Saneamento, que define regras para investimento privado no setor, está no Congresso e deve perder a validade.
 

Meirelles também afirmou que o Tesouro do Estado poderá assumir a dívida da Dersa para poder extingui-la. A estatal cuida da infraestrutura rodoviária.
 

Segundo o secretariado, ainda não é possível saber quanto deverão render as concessões do complexo esportivo do Ibirapuera e do zoológico de São Paulo. Uma consultoria será contratada para avaliar.
 

Fonte: Portal Terra

 

 

 

1 Comentário

  • Link do comentário Ana Cecilia M Pereira Quinta, 06 Junho 2019 02:59 postado por Ana Cecilia M Pereira

    Não sei se entendi, por que o texto está bem confuso. Mas vamos lá. A inclusão do pagamento de SERVIÇOS INATIVOS (?) no orçamento da educação do Estado de São Paulo, FOI CONTESTADA pelo Ministério Público de Contas, e deve ser REVERTIDA até o fim de 2020, segundo PREVISÃO do secretário da Fazenda, Henrique Meirelles.
    E ainda, "caso a arrecadação não aumente conforme o esperado, o prazo pode ser revisto."
    Como esse senhor pretende colaborar com o aumento de arrecadação mantendo o DINHEIRO PARADO? A única forma eficiente de aumentar a arrecadação é fazer o DINHEIRO GIRAR. É GIRAR A RODA ECONOMIA. Com a maioria dos aposentados sem reajuste, perdendo a capacidade de compra, isto é, diminuindo seu poder aquisitivo todo ano alguns por cento, naturalmente a tal ARRECADAÇÃO ou fica estagnada, ou diminui. Vender ou capitalizar a SABESP, não MELHORA a ARRECADAÇÃO. Aumenta o patrimônio LIQUIDO do estado, o que NÃO GARANTE BOA UTILIZAÇÃO DESSA GRANA. Nem garante que seja distribuído TAMBÉM para os aposentados. (Detalhe, INATIVO é o cérebro desse povo que não cria nada novo.)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.