Terça, 03 Setembro 2019 12:52

Bolsonaro quer proibir questões de gênero no ensino fundamental

Avalie este item
(0 votos)

Presidente determinou ao MEC projeto de lei contrário ao que chama de "ideologia de gênero"

Nesta terça-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou ao Ministério da Educação (MEC) o preparo de um projeto de lei que proíba questões de gênero no ensino fundamental. Em sua conta no Twitter, o presidente comentou manifestação da Advocacia-Geral da União (AGU) sobre competência legislativa do tema, ao qual se refere como "ideologia de gênero", termo não reconhecido cientificamente.

"Determinei ao @MEC_Comunicacao, visando princípio da proteção integral da CRIANÇA, previsto na Constituição, preparar PL que proíba ideologia de gênero no ensino fundamental”, postou.

 

A expressão "ideologia de gênero" não é reconhecida por especialistas. Academicamente, discute-se teoria de gênero, área de estudo que trata de gênero e orientação sexual para além de fatores biológicos, isto é, com abordagens que consideram contexto social dos indivíduos.


Na visão do presidente, sustentada por princípios religiosos e compartilhada por membros da bancada evangélica, no entanto, tal estudo se configura como afronta ao conceito de família, que seria formada única e exclusivamente por homem e mulher.

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE

Para o Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos (CLAM), teoria de gênero contribui para construção de relações sociais menos desiguais em termos de gênero e sexualidade. A área de estudo busca desenvolvimento de políticas públicas em nome dos direitos das mulheres, dos direitos sexuais e reprodutivos, assim como qualquer medida no marco dos direitos humanos.

Desde 2014, quando o tema ganhou destaque na discussão do Plano Nacional de Educação (PNE), a instituição pondera que "tratar a discussão sobre gênero e diversidade sexual como matéria de educação significa dar um passo importante para reduzir as desigualdades e a violência que marcam o país".

O Brasil tem histórico de crimes causados por discriminação de gênero. Em 2018, o país foi apontado como o que mais mata transexuais, por exemplo, segundo estudo da ONG Transgender Europe (TGEU); além disso, em São Paulo, casos de feminicídio cresceram 76% somente no primeiro trimestre deste ano, conforme levantamento do G1.

O CLAM pondera que isso ocorre no contexto de uma cultura construída com linguagem machista, sexista e homofóbica. "As mulheres, as lésbicas, transexuais, travestis, bissexuais, gays e outros sujeitos sexuais marginalizados têm suas imagens desvalorizadas, o que enseja um clima favorável a violências de todo tipo", alerta publicação do centro de estudos.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.