Quarta, 13 Novembro 2019 12:32

Em campanha, Doria afirmava que não faria reforma da Previdência

Avalie este item
(2 votos)
Em campanha, Doria afirmava que não faria reforma da Previdência Reprodução do debate no SBT/YouTube

O governador João Doria (PSDB) anunciou na última sexta-feira (8) novas regras para a aposentadoria de servidores públicos do estado de São Paulo. A proposta, que deve ser apresentada hoje (13) à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), por meio de Proposta de Emenda à Constituição do Estado (PEC) e um Projeto de Lei Complementar (PLC), é semelhante à reforma previdenciária do governo federal, com implementação de idade mínima de 65 anos, para homens, e de 62 anos, para mulheres. Também está prevista elevação da alíquota de contribuição previdenciária dos funcionários públicos de 11% para 14% sobre o salário.

Quando era candidato a governador, no entanto, Doria afirmou que não faria alterações na Previdência do funcionalismo público paulista. Em debate realizado pelo SBT com o também candidato Márcio França (PSB), em 23 de outubro de 2018, no segundo turno das eleições, o tucano disse: "Eu valorizo os servidores públicos. Não vamos mexer na Previdência. Ela já foi feita com muito cuidado e muito zelo pela Assembleia Legislativa de São Paulo na gestão Geraldo Alckmin".

Veja a fala do então candidato aqui

Como governador, a posição de João Doria mudou. Na apresentação do projeto, ele enalteceu economia de R$ 32 bilhões em 10 anos com a reforma. Nesta quarta-feira, ele sugeriu que a proposta pode ser aprovada ainda neste ano. "Estamos convencidos de que haverá um debate democraticamente aceitável, mas será aprovada ainda neste ano", disse.

Em 2018, pouco antes de deixar a Prefeitura de São Paulo para concorrer ao governo do estado, Doria apresentou projeto de reforma da Previdência de servidores municipais, o chamado SampaPrev. Houve intenso debate sobre as mudanças na Câmara Municipal. Servidores protestaram diversas vezes e alguns professores, inclusive, foram agredidos por integrantes da Guarda Civil Metropolitana (GCM). Mesmo assim o projeto foi aprovado.

Hoje, o governador sugere que o clima é outro. "Há boa receptividade por parte da opinião pública, dos formadores de opinião e obviamente das câmaras legislativas, não sendo diferente na Alesp."

2 comentários

  • Link do comentário Marcia Aparecida Branquinho Nogueira Terça, 19 Novembro 2019 09:30 postado por Marcia Aparecida Branquinho Nogueira

    Prezados Responsáveis;
    Sou professora há 15 anos,porém trabalhei como secretária de escola, na parte de administração. Hoje tenho 32 anos de serviço público estadual, já estou recebendo o abono de permanência, aguardando apenas o mês de março para completar os 55 anos de idade para que possa adquirir o direito à paridade. Gostaria de saber se de acordo com a nova lei de aposentadoria, terei que trabalhar ainda mais para o referido direito, visto que se abrir mão da paridade, poderia aposentar hoje, já que minha aposentadoria está arquivada aguardando o dia 22/03/2020, para requerer o desarquivamento. COMPENSA ABRIR MÃO DO DIREITO À PARIDADE?
    Muito obrigada
    CPP: encaminhado à Procuradoria. Aguarde retorno por e-mail. Att

  • Link do comentário Gilmar Sexta, 15 Novembro 2019 07:55 postado por Gilmar

    Pelo posicionamento do sindicato estamos ferrados.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.