Imprimir esta página
Sexta, 17 Abril 2020 13:15

Doria amplia quarentena até 10 de maio em SP

Avalie este item
(2 votos)
Doria amplia quarentena até 10 de maio em SP Equipe do governo apresenta dados em coletiva de imprensa/Governo do Estado

Decisão deve ser rigorosamente seguida pelos 645 municípios do estado


O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (17) o aumento da quarentena no estado de São Paulo até 10 de maio, para evitar a disseminação do novo coronavírus. Hoje, o estado registra 11.568 casos confirmados e 853 óbitos (dados desta quinta-feira). Todos os 645 municípios do estado devem seguir a medida.

De acordo com o chefe do Executivo, a medida segue recomendações científicas. "A decisão foi amparada pelo grupo de contingência do covid-19, o comitê médico composto por 15 membros, especialistas que indicam e orientam todas as decisões do estado e da prefeitura de SP", disse Doria.

Aulas a distância começam dia 27

Ele ressaltou que infelizmente os casos estão em expansão. "As UTIs e as enfermarias dos hospitais públicos e privados estão recebendo um número maior de pacientes a cada dia e já temos alguns hospitais públicos à beira do seu limite. A atitude responsável do governo é a prorrogação da quarentena para evitar o colapso no atendimento da saúde pública e na sequência da saúde privada."

Inicialmente, a quarentena venceria no próximo dia 22, quarta-feira. O distanciamento social está em vigor no estado desde o dia 24 de março e já havia sido ampliada uma vez. O decreto prevê o fechamento do comércio e serviços não essenciais, o que inclui bares, restaurantes e cafés, que só podem funcionar com serviços de delivery. Já os serviços considerados essenciais, como farmácias e supermercados, podem abrir as portas. 

Discutia-se se a ampliação valeria em todo o Estado, uma vez que há pressão no interior para liberar aberturas parciais do comércio em municípios onde a doença ainda não chegou. No entanto, Doria determinou que a medida vale para todas as cidades. "Não temos nenhum prazer em ampliar o período da quarentena, mas temos que respeitar a ciência. E esse período vai passar e depois vamos agir para recuperar a economia", disse.

O infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19, afirmou que a decisão de prolongar a quarentena foi unânime entre o grupo, após a análise de dados. "Esta manutenção [da quarentena] é absolutamente fundamental tanto do ponto de vista da área metropolitana de São Paulo, como da Baixada Santista, e do interior", afirmou. 

De acordo com balanço mais recente da Secretaria Estadual da Saúde, estão internadas em UTIs 1.125 pessoas. Outros 1.259 pacientes estão internados em enfermarias. O novo coronavírus já atingiu 207 municípios do Estado.  De acordo com o secretário da Saúde, José Henrique Germann, 9.400 exames ainda aguardam resultado.

Em todo o País, o número de mortes de pessoas infectadas pelo novo coronavírus chegou 1.924, com um total de 30.425 casos, de acordo com o Ministério da Saúde.

O sistema de saúde estadual e municipal já sofrem com sobrecarga em leitos de UTI, principalmente na capital e na região metropolitana.
 
Germann sinalizou que existe intenção do governo de fazer mais uma parceria com os hospitais privados, para evitar o colapso do sistema público de saúde e a falta de leitos.
 
O prefeito Bruno Covas (PSDB), que participou do anúncio da ampliação da quarentena, afirmou que existe a possibilidade de remunerar leitos do setor privado para ocupar vagas ociosas com pacientes do sistema público de saúde. Covas também falou sobre o rápido esgotamento dos leitos na rede pública. "Nossos hospitais estão ficando lotados, apesar de todo o esforço que a Prefeitura está fazendo. Nada vai adiantar, se as pessoas não seguirem as recomendações", disse.

Covas editou um decreto nesta semana orientando a população paulistana a usar máscara quando sair de casa durante a quarentena. Conforme o documento, a orientação não inibe a necessidade de isolamento social. O uso do equipamento, preferencialmente caseiro, para deixar itens fabricados para os profissionais da saúde, deve ser ocorrer sempre que possível.


ISOLAMENTO

A taxa de isolamento voltou a cair e ficou em 49% nesta quinta-feira (16), de acordo com o governo. O ideal para controlar a disseminação da doença, segundo Doria, é 70%. O governo afirma que uma taxa baixa de adesão pode fazer com que o número de leitos disponíveis no sistema de saúde não seja suficiente para atender a população.

Covas reforçou o pedido para que as pessoas não viajem durante o feriado de Tiradentes, que terá ponto facultativo na próxima segunda-feira, 20, na capital. Doria também reafirmou o pedido para que as pessoas fiquem em casa, mas disse que não haverá ações de restrição de circulação nas rodovias.