Sexta, 23 Mai 2014 18:31

Prova Mérito: como errar e continuar errando

Avalie este item
(0 votos)

Afinal, o professor para atingir o ápice salarial precisará passar por inúmeras provas durante a sua vida profissional. A primeira, para começar a ministrar aulas no estado, como professor temporário; a segunda, para se tornar efetivo; e as subsequentes, para participar das provas mérito.

Se pretender ser coordenador, diretor ou supervisor terá mais algumas provas pela frente. E, claro, se for aprovado em todos os certames, o que não é fácil, pois a nota de corte vai sempre subindo.

O Professor Silvio dos Santos Martins, por achar tudo isso um absurdo, fala no quadro desta semana "Por Dentro do Assunto", a sua opinião  pelos resultados até agora obtidos, e a sua total inutilidade como meio de valorização dos professores e motivação para que os jovens procurassem a carreira do magistério.

Assista ao vídeo e deixe aqui o seu comentário!

Secom/CPP

Mídia

3 comentários

  • Link do comentário Denise Martins Quinta, 29 Mai 2014 21:48 postado por Denise Martins

    Tenho 10 anos de magistério, mas apenas 4 como efetiva e por esta razão não posso fazer prova de mérito...o Estado não considera o tempo de experiência e sim o tempo que o professor trabalha na mesma escola. Jogada bem desleal...

  • Link do comentário ELIANA ROBERTO Quarta, 28 Mai 2014 15:29 postado por ELIANA ROBERTO

    CONCORDO PLENAMENTE QUE ESSA PROVA MÉRITO SEJA UMA INUTILIDADE. TANTO É QUE NUNCA ME INSCREVI PARA
    NENHUMA E NEM PRETENDO, ACHO UM DESRESPEITO, UMA SITUAÇÃO HUMILHANTE. EU RECUSO-ME A SUJEITAR A ISSO. PRINCIPALMENTE POR ESTAR EM FINAL DE CARREIRA, SENDO QUE JÁ ATUO HÁ 27 ANOS. ENFIM, A CADA ANO QUE PASSA , NOS EDUCADORES ESTAMOS DESVALORIZADOS PELO GOVERNANTES E PERANTE A SOCIEDADE.

  • Link do comentário Paulo José Lopes Sábado, 24 Mai 2014 22:35 postado por Paulo José Lopes

    De nada adianta fazer concurso, se os salários não compensarem o investimento efetuado na formação inicial e toda a qualificação que precisamos manter durante a vida profissional. Talvez por isso, poucos assumem o cargo e, cada vez menos jovens recém formados se interessam pela carreira do magistério.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.