Quinta, 22 Abril 2021 10:18

Câmara aprova projeto que proíbe suspensão de aulas presenciais

Avalie este item
(0 votos)

Texto abre exceção para quando 'condições sanitárias' de estados e municípios impedirem retorno às salas de aula; Agora, segue para o Senado


Saiu no Site UOL de notícias que o projeto torna as aulas presenciais "atividades essenciais", mas abre exceção para quando as condições sanitárias de estados e municípios não permitirem o retorno, "com base em critérios técnicos e científicos devidamente publicizados". A proposta segue, agora, para o Senado. Segundo o projeto, a situação sanitária que impeça aula presencial deve ser explicitada em ato do poder Executivo local.

A proposta não deixa claro quais seriam esses critérios técnicos e científicos. Opositores afirmam que o texto é "subjetivo" e fere a autonomia de estados e municípios. Já os que defendem a proposta dizem que há dispositivos que garantem a independência nas decisões dos entes federados.

Pelo projeto, a educação básica e de ensino superior em formato presencial, nas redes públicas e privadas de ensino, serão consideradas serviços e atividades essenciais mesmo durante enfrentamento de pandemia, emergência e calamidade pública.

SECRETÁRIOS DE EDUCAÇÃO CONTRA O PROJETO

Na semana passada, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) emitiu posicionamento contrário à proposta, em que defende que "cada gestor estadual ou municipal possa avaliar com as autoridades sanitárias locais a situação epidemiológica na tomada da decisão de manter ou não as aulas presenciais". “Não é o momento de obrigar estados e municípios a abrirem suas escolas, numa decisão única para todo o país”, diz a nota do conselho de secretários. Mesmo com alterações feitas pela deputada relatora Joice Hasselmann (PSL-SP) – que incluiu no parecer diretrizes para o retorno presencial, o Consed manteve a posição contrária ao texto.

O PROJETO

Segundo a proposta, a estratégia para o retorno às aulas presenciais deve ser elaborada em colaboração entre os entes federados, que devem respeitar as orientações do Ministério da Saúde. O texto prevê que os sistemas de ensino podem adotar estratégias como rodízio de turmas e adoção de sistema híbrido, com atividades pedagógicas presenciais e não presenciais.

Também está prevista a possibilidade de os profissionais do grupo de risco para a Covid ou que morem com pessoas do grupo de risco serem liberados das atividades presenciais. Para isso, as escolas devem definir "formas pactuadas de trabalho". Ainda segundo a proposta, os pais ou responsáveis pelos alunos de quatro a 17 anos podem optar “excepcionalmente” pelo não comparecimento nas aulas presenciais enquanto durar a pandemia e se os alunos ou familiares estiverem no grupo de risco, "desde que devidamente comprovado".

Neste caso, as escolas devem proporcionar atividades não presenciais para o acompanhamento do currículo escolar. O projeto diz, ainda, que o calendário de retorno às aulas não precisa ser unificado, o que permite datas e ritmos diferentes para cada uma das escolas, a depender do local.

DIRETRIZES PARA O RETORNO

O parecer aprovado pelos deputados também prevê que o retorno às aulas presenciais deve seguir algumas diretrizes:

Critérios epidemiológicos para a decisão sobre o funcionamento das escolas; Prioridade na vacinação de professores e funcionários das escolas; Prevenção ao contágio de estudantes, profissionais e familiares pelo novo coronavírus; Igualdade de condições de acesso ao aprendizado; Equidade para o estabelecimento de prioridades na alocação de recursos e ações voltadas ao retorno às aulas; Participação das famílias e dos profissionais da educação; Parâmetros de infraestrutura sanitária e disponibilização de equipamentos de higiene e proteção, como máscaras, álcool em gel, água e sabão; Parâmetros de distanciamento social e prevenção; Avaliação diagnóstica de aprendizado e ações de recuperação; Critérios para validar atividades não presenciais quando as aulas presenciais forem suspensas, sem prejudicar os alunos que não tiverem acesso frequente aos meios tecnológicos de comunicação.

DISCUSSÃO

Algumas das diretrizes para o retorno às aulas presenciais, incorporadas no relatório de Joice Hasselmann, eram listadas em outro projeto de autoria do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), que tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A oposição e a bancada da educação na Casa defendiam a votação desse outro projeto, que tem a relatoria dos deputados Orlando Silva (PCdoB-SP) e Professora Dorinha Seabra (DEM-TO). A principal diferença entre eles é que o outro projeto, que tramita na CCJ, não fala em proibição da suspensão das aulas presenciais.

“Reconheço que é um tema difícil, que envolve até mesmo segurança alimentar das crianças e saúde mental. Mas é preciso muito cuidado diante da realidade que vivemos”, diz Orlando Silva. “[O projeto aprovado] Fere, inclusive, a autonomia dos entes da federação, quando deveria ter um esforço ao contrário.”

Parlamentares críticos à matéria argumentam que o texto coloca professores e alunos em risco no pior momento da pandemia. Além disso, na avaliação desses deputados, o trecho que define a essencialidade da educação pode retirar o direito dos professores de fazer greve. “Este não é o 'projeto escola aberta, é 'escola contaminada'. Esse projeto não trata da educação como essencial. Esse é um argumento enganoso, uma falácia, um sofisma”, disse a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA).

O líder da Minoria na Casa, Marcelo Freixo (PSOL-RJ), disse que a Constituição já define a educação como essencial e que, para isso, deveria ser garantido às escolas serviços como internet, água potável, condições sanitárias, vacinação e testagem dos profissionais. “A essencialidade tem que ser dada com direitos, com condições sanitárias adequadas, que não estão garantidos na prática”, disse.

A oposição também argumenta que o texto tira o direito dos professores de fazer greve, o que a relatora nega. Já os que defendem a matéria dizem que colocar a essencialidade da educação em lei nacional garante um direito aos alunos. “O que queremos com este projeto é simplesmente que o direito à educação das nossas crianças, dos nossos adolescentes, seja respeitado”, argumenta a deputada Adriana Ventura (NOVO-SP), uma das autoras do projeto.

Segundo o líder do PV, Enrico Misasi (SP), o projeto não obriga o retorno às aulas, já que é necessário seguir critérios científicos para a educação presencial. "[O projeto] É prudente ao dar uma válvula de escape para, em caso excepcionalíssimo, suspender a aula presencial", diz.

A deputada Aline Sleutjes (PSL-PR) disse que “professores que colocarem em discussão o fato de não quererem voltar [às aulas] porque não chegou ainda a sua vez na vacina estão negando a sua essência enquanto defensores da educação”. “Professores já estão qualificados para receber a vacina, mas não podem associar esse motivo para voltar ou não às escolas”, disse.

POSIÇÃO DO CPP

O Centro do Professorado Paulista reitera sua posição de exigir a suspensão total das aulas presenciais nas escolas públicas enquanto não houver condições qualificadas de saúde física e psicológica aos educadores e estudantes. Diante de um quadro pandêmico, cuja média de óbitos ultrapassa 3 mil por dia no país, é inconcebível garantir segurança sem, ao menos, disponibilizar vacinas a todos os profissionais da educação, conforme ofício protocolado pela entidade em 25 de março deste ano, ao Governo do Estado de São Paulo — governador, João Doria, secretário estadual da Educação, Rossieli Soares; secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

O CPP insiste: é inaceitável um retorno tranquilo sem os procedimentos básicos de segurança sanitária a todo o universo escolar. E nisso, definitivamente, as escolas públicas de São Paulo ficam a desejar.

Importante lembrar que Centro do Professorado Paulista, por meio do Departamento Jurídico, e as entidades ligadas à Educação obtiveram sentença em ação coletiva impedindo a retomada das aulas e atividades presenciais, enquanto persistir a situação atual de pandemia de Covid-19 e o risco à saúde dos profissionais envolvidos. Desta forma, a exigência de comparecimento para o desenvolvimento de qualquer atividade presencial, no atual momento de pandemia, representa descumprimento à referida decisão judicial.

Assim, o CPP disponibiliza um requerimento que deve ser endereçado ao respectivo Diretor da Unidade Escolar, comunicando a respeito da sentença favorável e solicitando o desenvolvimento de trabalho remoto. A medida busca evitar que o associado venha a ter computadas faltas em seus Atestados de Frequência e sofra descontos em seus vencimentos.

Acesse aqui a decisão na integra

Lido 533 vezes

1 Comentário

  • Link do comentário Cláudio Ernesto Quinta, 22 Abril 2021 17:55 postado por Cláudio Ernesto

    Boa tarde!

    Sem dúvida o retorno sem as condições de segurança sanitária garantida coloca em risco a saúde de todos. Inclusive no dia de hoje iniciei meu trabalho de forma presencial, mas, ao saber que três colegas meus da Gestão e da sala de aula testaram positivo para a Covid 19 me ausentei do espaço escolar e gostaria de saber se posso requerer o direito de não ter a falta computada. Aproveitando a oportunidade também gostaria de ter informação sobre recebimento de um mês em pecúnia. Fiz o pedido em Janeiro/21 e o pagamento seria efetuado no mês de maio/21.
    CPP: encaminhado à Procuradoria. Aguarde retorno por e-mail.
    Editar

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.