Quinta, 05 Setembro 2013 13:57

Cotas de mestrado e doutorado em Universidades Federais criam polêmicas

Avalie este item
(0 votos)

Depois da criação da Lei de Cotas, as universidades federais começam a reservar vagas para negros e índios em mestrados e doutorados. Departamentos das Universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e de Brasília (UnB) desenvolvem políticas afirmativas na pós-graduação por iniciativa de professores e alunos.

A Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da UFRJ reservará o mínimo de duas vagas aos indígenas. Para negros, haverá nota de corte menor do que de outros concorrentes e adicional de 20% de vagas. Neste ano, nove candidatos já se declararam indígenas e 27, negros. Os primeiros cotistas devem começar em 2014.

O subcoordenador do programa da pós do Museu Nacional, João Pacheco, afirmou não acreditar em piora de qualidade da produção acadêmica. "Não é só fazer justiça social. É uma experiência importante para a área de antropologia, que se propõe a estudar o outro", afirmou.

Já na UnB, a reserva de 20% das vagas de mestrado e doutorado para negros foi aprovada em julho no Departamento de Sociologia. Uma comissão de professores e alunos tem até o fim de setembro para concluir a proposta, que ainda precisa do aval do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da universidade. A expectativa é de que as cotas comecem a valer no início de 2015. Em Brasília, o curso Pós-Afirmativas ainda prepara negros para o mestrado e doutorado da UnB.

Ministério da Educação não exige reserva de vagas na pós, mas cada departamento ou instituição pode fixar os critérios nas seleções. Um exemplo é a pós em Direitos Humanos da Universidade de São Paulo (USP), instituição historicamente refratária a cotas. Desde 2006, um terço das vagas no curso é separada para negros, indígenas, pobres e deficientes físicos. Na Universidade Estadual da Bahia (Uneb), 40% das vagas vão para negros e 5% para indígenas em todos os cursos da pós desde 2007.

Apesar de negros e "pardos" corresponderem a mais de 51% da população, só 18,8% dos brasileiros com mestrado pertencem a esse grupo étnico, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já entre os doutores, a proporção recua para 14,6%.

Segundo o especialista em educação Cláudio de Moura Castro, as cotas são injustas. "Na pesquisa, deve prevalecer a meritocracia, em que os candidatos atingem o nível exigido", afirmou. Conforme o coordenador da organização não governamental (ONG) Educafro, frei David Santos, é preciso abrir mais portas da pós-graduação para excluídos. "A seleção sempre foi cheia de subjetividades. Falta um pacto nacional para resolver o problema", defende.

Informações do UOL Educação

Fonte: UOL Educação

 



 

1 Comentário

  • Link do comentário Claudio Sábado, 07 Setembro 2013 09:24 postado por Claudio

    O professor Claudio de Moura e Castro, no auge de sua sabedoria, está errado. O mérito acadêmico não pode ser critério absoluto, se é excludente. Muitos alunos negros e excelentes não têm oportunidade de ingressar em um curso de pós-graduação stricto sensu, não porque não tenham "méritos", mas porque não há muitas vezes clareza nos critérios de ingresso, como chamou a atenção frei David. Centenas de jovens promissores e mais comprometidos com os estudos do que outros que tiveram mais oportunidades são preteridos, e o tal "mérito", mal ou mesmo perversamente compreendido continua sendo a justificativa para excluir alunos negros do acesso aos níveis mais elevados de ensino, mesmo os melhores. Quando vamos ter coragem para democratizar de verdade a educação, em todos os níveis?

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.