Segunda, 09 Setembro 2013 14:02

Aumenta a procura por sites de aulas virtuais

Avalie este item
(0 votos)

Os dados da Folha de São Paulo apontam o aumento de sites que vendem aulas virtuais. Um exemplo é o Udemy, baseado nos EUA e fundado por turcos, que já alcannçou 1 milhão de estudantes.
O jornal informa, também, que professores adaptam o material usado em sala para vídeos curtos e os alunos podem discutir entre si e fazer perguntas.
Confira:

"Lançado em 2010, o site Udemy, uma plataforma para que professores vendam suas aulas em vídeo, vem ganhando popularidade e crescendo recentemente.
Em junho, anunciou que havia chegado a 800 mil estudantes. No mês passado, a marca atingida foi de 1 milhão --incremento de 25% em dois meses.

Um dos fatores que colaboraram para tal crescimento foi a adição de nove línguas, inclusive o português --agora, brasileiros compõem a segunda maior nacionalidade do site, atrás dos americanos.
"A globalização é um fator muito importante", diz Eren Bali, 28, diretor e cofundador do Udemy. "Diferentemente do que ocorre em uma sala de aula, quanto mais alunos há em um curso virtual, melhor: há mais interação e eles fazem e respondem perguntas."

Quem decide usar o site para aprender precisa fazer um rápido cadastro e escolher entre os 8 mil cursos disponíveis, que vão de malabarismo a programação na linguagem Ruby on Rails. Há exercícios e, em alguns, certificado.

A maioria é paga e custa de US$ 10 a US$ 300, mas também há aulas grátis, como é o caso do curso em inglês "Brasil para iniciantes", lecionado por Marshall Eakin, 50, professor da Universidade Vanderbilt, de Nashville, Tennessee (EUA), que tem 2.847 inscritos.
"Essencialmente, o que fiz foi adaptar um curso de 15 semanas que dou sobre história do Brasil para 15 vídeo-aulas de 20 minutos cada", diz. "Então é bastante denso."

O curso de Eakin faz parte do Faculty Project, promovido pelo próprio Udemy, que tem outra dúzia de cursos gratuitos. "Os comentários vêm sendo avassaladoramente positivos", conta.
Já o curitibano Alessio Alionço, 26, optou por cobrar US$ 49 por cada um de seus cursos de administração, que adaptou para a internet durante um período em que ficou sem trabalhar na empresa que dirige, a Acessozero, porque estava doente.

Cerca de um ano e 700 alunos depois, Alionço elogia a praticidade do site. "É mais completo que os treinamentos presenciais que eu fazia, porque tem conteúdo interativo. O pessoal gosta muito."
Segundo a empresa, os professores que criaram os dez cursos mais populares no site já faturaram US$ 5 milhões em conjunto.

Com cerca de 50 mil usuários na Espanha, país de origem, o site Floqq, com uma ideia parecida à do Udemy, desembarcou no país recentemente e já tem 32 cursos em português, segundo o gerente de operação para o Brasil, Robson Rodrigues, 28.
"Recomendamos [para os professores] que o preço não passe de R$ 50. Queremos democratizar a educação", diz."

Secom/ CPP

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.