Terça, 30 Julho 2013 11:04

Globo entrevista única candidata a ser professora

Avalie este item
(0 votos)

A matéria a seguir foi exibida na manhã desta terça-feira, 30 de julho, no programa Bom Dia Brasil, na Globo.
O foco é a falta de professores e a dificuldade de atrair o jovem ao magistério.
Confira. O secretário estadual de Educação de São Paulo, professor Herman Jacobus Cornelis Voorwald, faz uma declaração no decorrer da reportagem.

“O que faz um jovem preferir outra profissão e não se encontra com a ideia de ser professor? O salário certamente é uma das razões.
Segundo o IBGE, o salário médio no Brasil para quem tem ensino superior está dividido por áreas: Ciências exatas, mais de R$ 5 mil; Ciências da saúde, mais de R$ 4 mil; Ciências humanas, mais de R$ 3 mil; Professores com ensino superior, R$ 1.707.

A melhoria do ensino público em todo o país esbarra em vários problemas de estrutura, inclusive falta de professores. Só em São Paulo, o governo pretende contratar ainda neste ano 59 mil profissionais, mas muitos estudantes nem pensam em concorrer a essas vagas.

Quem quer ser professor é visto como um romântico, que não liga para salário. Em São Paulo, a Secretaria de Educação vai tentar contratar mais de 50 mil professores e vai lançar um programa para que os futuros mestres façam uma espécie de residência, como a dos médicos, nas escolas. Mas, nem isso parece animar que está prestes a fazer vestibular.

Raquel quer ser professora na rede pública.

Repórter: Professora de quê?

Raquel: Geografia. Eu pretendo dar aula em escola pública e ensino fundamental.

Repórter: Por quê?

Raquel: Para agregar à educação brasileira. Eu acho que está muita fraca e precisa de pessoas que tenham amor pela profissão.

A escolha de Raquel causa surpresa entre os colegas. Ela é uma das únicas com o desejo de ser professora em uma sala com mais de 70 alunos de um cursinho pré-vestibular.

“Não desperta o meu interesse. Não penso em trabalhar na educação”, diz Jéssica Dias Assunção dos Santos.

Além do salário, o professor da rede pública costuma enfrentar situações complicadas.

“Vai com empenho de dar aula, vê que é só ele. Não tem muita gente que vê o lado que ele vê”, diz Bonfim Hieron de Souza Alencar, professor de matemática.

O fato é que hoje faltam professores no Brasil inteiro. Em São Paulo, um concurso público pretende contratar 59 mil professores.

“O desafio é fazer com que a carreira seja atrativa porque os jovens das licenciaturas, que estão cursando as universidades, tenham na carreira do magistério o interesse em participar”, declara Herman Jacobus Cornelis Voorwald, secretário estadual de Educação – SP.

E a Secretaria da Educação vai investir em um programa de residência educacional. Para os especialistas, não é só o salário que afasta os jovens da profissão.

“Ele é o principal profissional do país. Todas as outras profissões dependem do professor. Se a gente não tiver esse entendimento no Brasil, dificilmente a gente vai garantir educação de qualidade para todos”, diz Priscila.

Por esse programa, a residência educacional, o aluno de licenciatura interessado em ser professor recebe R$ 600 por mês, entre bolsa e auxílio transporte. Enquanto ele faz faculdade também tem que ir para uma escola, para participar das atividades pedagógicas e se acostumar com a profissão. O projeto está na fase piloto e tem cerca de 3,5 mil inscritos.”

4 comentários

  • Link do comentário rosangela ap silva Quarta, 31 Julho 2013 11:40 postado por rosangela ap silva

    Senhores governantes valorizem os profissionais da educação, principalmente professores, já que os senhores também passaram por formação em instituição de ensino para estarem aí, assim como qualquer outro profissional .Mas infelizmente, nós professores somos componentes da profissão menos valorizada neste país."Que país é este?"...

  • Link do comentário Elisia Maria de Castro Terça, 30 Julho 2013 20:59 postado por Elisia Maria de Castro

    Sou professora categoria F, passei no último concurso que teve, fui chamada o ano passado, me apresentei, nos últimos dias alegaram não ter mais cargo em Língua Inglesa. Passei em todas as provas da categoria F e agora vou fazer prova de Merito. Nunca fui valorizada por passar nessas provas...
    Minha filha tem um ano de formação em nutrição e um salário de + três mil. Ainda não recebo essa quantia . Será que vale apena..?

  • Link do comentário Silvia Helena Doque Terça, 30 Julho 2013 17:34 postado por Silvia Helena Doque

    Não é só o salário, mas hoje os professores contratados tem fazer prova anual, e não temos direitos nenhum só dever aquele José Serra, dividiu a classe dos professores em categoria que vai de A a Z os direitos são diferentes mas os deveres são iguais quem vai querer ser um profissional nesta condição?

  • Link do comentário Denise Terça, 30 Julho 2013 13:43 postado por Denise

    Se um professor investe em sua educação, fazendo 2 anos de pós, ele ganha sabe quanto a mais? 5%!...se ele faz mestrado, sabe quanto ele ganha a mais? 5%...pra que um professor vai investir em conhecimento? só se for pra sair da escola publica..Não há valorização em nenhum aspecto...é triste, mas só quem gosta muito de dar aula fica nesta profissão...

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.