Segunda, 30 Novembro 2020 14:33

Uma nova forma de ensinar e aprender

Avalie este item
(0 votos)

Bruno Luis Simão

Durante a pandemia do coronavírus, ouvimos muito falar nos profissionais de saúde como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas etc. Profissionais que estão na linha de frente. No entanto, há uma categoria de profissionais que ainda não foi comentada: os professores. Eles trabalham em casa e estão aprendendo novas habilidades pedagógicas, tecnológicas todos os dias, a fim de continuar formando novos profissionais da saúde.

Nesse período, o professor está aprendendo que mesmo à distância, ele pode continuar ensinando usando ferramentas até então desconhecidas (como videoconferência). Aquele conhecimento que normalmente era compartilhado pessoalmente em um passado não tão distante, ainda está sendo compartilhado, porém neste presente, remotamente. Como todos sabemos, muitas são as variáveis ​​nesta nova realidade, como a educação a distância para crianças, jovens e adultos. Independentemente de haver uma pandemia, os professores continuam sendo formadores de opinião, fontes de conhecimento e aprendizes que difundem ideias e pensamentos através do ensino. Nas palavras de Fabrício Carpinejar “um professor sempre será melhor que o Google”.  

Habituados a utilizar quadro, giz, dinâmicas de grupo, slides, jogos e várias outras “estratégias pedagógicas” para ensinar e acessar a todos os alunos, durante a pandemia, esses profissionais estão se reformulando, revisitando suas próprias práticas. Assim como os profissionais de saúde, eles estão se conscientizando sobre como lidar com o coronavírus aprendendo novas maneiras de continuar ensinando, mas agora, sem ter que sair de casa.

A mudança chegou, e com ela a reformulação de hábitos comuns de toda a população, do professor, e de seu método de ensino. O que estão chamando hoje de "novo normal" está intimamente ligado também ao ensino à distância, o que infelizmente até poucos meses atrás já foi motivo de severas críticas.

Mas por quanto tempo é este o futuro? Será que já não é hora de rever as estratégias de ensino na área da saúde também? Com certeza, o conhecimento sempre será uma das ferramentas mais poderosas para a formação de um indivíduo, em qualquer área que seja. Não há dúvida de que um trabalho importante deve ser feito pessoalmente. Nada poderá substituir o contato, o toque, a presença, o olho no olho. Porém, considerando que esse conhecimento pode chegar a lugares e comunidades onde a possibilidade de aprender uma nova carreira nunca foi pensada, muitas pontes precisam ser construídas. O andar do conhecimento precisa se desprender da matéria.

A partir de agora, os cursos a distância e semipresenciais ganharão maior visibilidade. Comprava-se que o conhecimento não é mais estático a apenas um cérebro. Ele agora faz parte de uma rede, está conectado com a tecnologia e existem milhares de cérebros por trás dele para gerar novos conhecimentos e espalhar esse conhecimento infinito para os quatro cantos do mundo.

Antes pensar em participar de grandes eventos como congressos, simpósios, etc. eram sinônimos de grandes despesas. Passagem aérea, hospedagem, inscrição, alimentação, tudo para a obtenção de conhecimentos específicos alinhados às próprias realizações. Neste “novo normal” esses eventos podem ser realizados por meio de plataformas na Internet, que também permitem a criação de novas redes.

E alguém pergunta: “Mas onde ficam as interrelações? Onde fica a socialização? Como podemos nos relacionar somente à distância? Como será o futuro?”

E a resposta é simples: este artigo foi escrito durante o período de pandemia do coronavírus, sendo assim, estamos todos os dias aprendendo novos hábitos, a construir novas relações, estabelecendo novas conexões.

As interrelações, o contato físico entre as pessoas pode até diminuir, mas nossos valores, como união, honestidade, compaixão e respeito, não poderão ser eliminados, esta é, sem dúvida, uma educação que nos ajuda a responder muitas das questões levantadas neste artigo.

E o futuro? Bom, este nos sugere que assim como médicos, enfermeiros, PROFESSORES e demais profissionais, todos precisaremos recriar e cocriar.

 
Bruno Luis Simão é especialista em psicopedagogia e educação especial, e professor da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Última modificação em Segunda, 30 Novembro 2020 16:52

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.