Terça, 05 Junho 2018 16:53

BNCC do Ensino Médio

Avalie este item
(3 votos)

Maria Claudia de A. Viana Junqueira


Na segunda parte do Encontro dos Professores Representantes de Escola, em maio, apresentamos a Base Nacional Comum Curricular para o Ensino Médio (EM). A apatia dos profissionais presentes à reunião levou-me a questionar se eles estão informados com relação ao conteúdo da Base ou se a reação é a tal da “depressão política”. Seja qual for razão, a meu ver, estamos deixando passar uma reforma que sinaliza a desprofissionalização, o desemprego de muitos professores, a precarização, a privatização do ensino e a formação de mão de obra barata e/ou sem emprego

A Base do Ensino Médio nasceu de uma Medida Provisória. Ela atropelou a discussão a respeito desse nível de ensino no Congresso Nacional e foi sancionada pela Lei Nº 13. 415/2017, que teve como relator o Senador Pedro Chaves, ligado à iniciativa privada. Essa lei alterou a Lei de Diretrizes e Bases (LDB): os direitos e objetivos de aprendizagem no Ensino Médio serão definidos em áreas de conhecimento a serem organizadas juntamente com as competências e habilidades pelos sistemas de ensino. A meu ver, ela deveria ser revogada.

O currículo integral da BNCC-EM seria a base (só Português e Matemática são obrigatórias) e uma das áreas de opção do estudante. Por que só as duas disciplinas, elas existem sem os conteúdos das demais disciplinas? De acordo com a Base, sim, pois o objetivo é a aprendizagem de habilidades e competências, ou seja, o objetivo é garantir ao estudante uma condição instrumental, saber fazer algumas contas e escrever algumas linhas. Interdisciplinaridade, como? As disciplinas não existem mais. 

Ao enfatizar a obrigatoriedade de duas disciplinas, ficam relegados a um segundo plano ou até mesmo excluídos os conceitos caros à Sociologia, Filosofia, Educação Artística etc.. Excluídos por quê? A Lei Nº 13.415/2017 deixa a cargo dos sistemas a escolha daquilo que não é Base, cada um poderá escolher visando, por exemplo, a diminuição de gastos, ou a falta de determinado profissional, ou pelo simples fato de faltar recursos, ou ainda o desejo de privilegiar algum setor ou grupo fornecedor de material pedagógico.  

A redução do currículo com certeza comprometerá também a representação dos segmentos que buscaram com muita luta, ao longo de décadas, reverter o quadro do racismo, homofobia, exclusão das minorias quilombolas, indígenas, povos do campo e por aí vai. 

O mesmo acontece com os itinerários formativos. Os estudantes poderão escolher ou eles serão obrigados a seguir o que for determinado pela diretoria de ensino? A escola terá condições de ofertar aquilo em todos os itinerários?

Postos de trabalho serão cortados. Desculpe colegas, o pior mesmo é que a precarização do currículo sonegará aos estudantes da escola pública o exercício da cidadania plena, da escola pública, porque o sistema particular na sua esmagadora maioria não seguirá a orientação da Lei e da BNCC do Ensino Médio. Eles continuarão a preparar os jovens para o vestibular das melhores universidades, para o pós-doutorado no exterior, para a competição em um mercado de trabalho exigente quanto à formação, raciocínio lógico, criatividade e apropriação do conhecimento elaborado pela humanidade.

A valorização da educação à distância, uma vez que ela é destacada na Lei e na Base, acena o fim da Educação de Jovens e Adultos e a diminuição dos estudantes nas escolas, pode levar à privatização? À diminuição dos profissionais da educação? À exclusão dos mais pobres da escola? Para mim, sim, sim e sim. Se juntarmos a educação à distância à proposta de educação integral, as perspectivas pioram. Haverá escolas para todos? Serão construídas novas escolas? Há garantia da escolha das disciplinas alijadas ou diminuídas no currículo? Não, não e não.  

Do meu ponto de vista está em curso a mais importante e cruel alteração na estrutura da educação brasileira. Ela abre espaço para a desprofissionalização e desemprego dos professores, para a exclusão dos estudantes mais pobres da escola, para o alijamento dos conteúdos e conceitos caros à humanidade, abre portas para uma educação cada vez mais longe da ofertada no primeiro mundo e para a inserção ainda maior da empresa privada na escola pública.

Só a mobilização poderá reverter essa situação.

5 comentários

  • Link do comentário Lucia Nobre Terça, 12 Junho 2018 12:03 postado por Lucia Nobre

    Concordo plenamente com o seu texto, assim:

    Se aprovada essa BNCC os alunos serão privados de saberes que o conduzem a sua cidadania plena, voltaremos aos tempos da Grécia antiga, onde aos “cidadãos” cabia a intelectualidade, o saber filosófico, e, aos demais, cabia a ignorância e a apatia sócio- política e econômica.

    Estamos caminhando na contramão da História e de sociedades desenvolvidas!

    Sociedades essas que valorizam os saberes políticos para compreensão da sociedade em que estão inseridas, apostam nesses valores educacionais para a formação da cidadania plena e participativa. Sem esse entendimento as próximas gerações estarão fadadas a ignorância do saber da sua própria História e cultura. Estaremos sujeitos, inclusive, a alienação cultural!

    No que se refere ao saber profissional, também estamos regredindo, pois até mesmo as novas formas de gestões organizacionais empresarias hoje, entendem que seus profissionais devem estar atentos à todos os acontecimentos da sociedade, saber contextualizar situações sócio-políticas-econômicas fazem ,mais do que nunca , parte do dia a dia dos negócios, principalmente com o contexto da globalização.

    Como fazer isso com alunos, que provavelmente, se aprovado esse BNCC serão privados de aprender até mesmo o que é a Globalização e como seu próprio país está inserido no mundo e como aconteceu a sua inserção? (Saberes apreendidos em disciplinas como Sociologia, Geografia e História).

    O que pretendem aqueles que formularam essa proposta? Separar definitivamente o país entre mentes pensantes e corpos atuantes?

  • Link do comentário Maria Claudia Sexta, 08 Junho 2018 15:35 postado por Maria Claudia

    Colega,

    Hoje estivemos na Audiência Pública para colocar as críticas à reforma do Ensino Médio. Apesar da Audiência não ter acontecido continuaremos com o trabalho de desmantelamento dessa BNCC.

    Aguardamos contribuições de todos para podermos elaborar um documento contra a reforma e entregá-lo ao Conselho Nacional de Educação, ao Governador, Envie colaboração da escola pelo e-mail: formacao@cpp.org.br

    Durante o encontro dos professores representantes de escola iremos discutir as propostas de mobilização da categoria.

    Abraço
    Maria Claudia

  • Link do comentário Fernanda valenciano Quinta, 07 Junho 2018 23:31 postado por Fernanda valenciano

    Concordo plenamente. É a privatização do ensino base para o jovem com ênfase no capitalismo opressor do país. É a marginalização dos menos abastados em prol de um Brasil que se torna cada dia mais corrupto, a começar pela ausência de ações comunicativas sobre o que é interesse público: a educação.

  • Link do comentário Galdino Maximiano dos Santos Quinta, 07 Junho 2018 10:36 postado por Galdino Maximiano dos Santos

    Essa BNCC não teve a participação nem dos professores e nem dos estudantes, não teve consulta, não teve debate.
    Está sendo empurrada goela abaixo. Não posso ser favorável a esse documento que considero base da exclusão. Tudo o que escreveste é verdadeiro. Sou totalmente contra.

  • Link do comentário ricardo tavares Terça, 05 Junho 2018 17:29 postado por ricardo tavares

    Isso todo mundo sabe, mas estamos esperando nossos sindicatos autorizarem uma mobilização

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.