Terça, 30 Julho 2019 17:37

Agrotóxicos: tem veneno no nosso prato?

Avalie este item
(9 votos)

“Não dá mais para nos iludir, cobrindo as feridas da Terra com esparadrapos. Ou mudamos de curso, preservando as condições de vitalidade da Terra, ou o abismo já nos espera.” Leonardo Boff

 

Entre 2018 e 2019 foram liberados no Brasil 524 tipos de agrotóxicos para uso na lavoura. Isso afeta a nossa saúde? Podemos confiar nos legumes, frutas e verduras que consumimos?

Os estudiosos do assunto afirmam que os agrotóxicos são cada vez mais um importante problema de saúde pública. Eles afetam as pessoas nas fábricas de agrotóxicos e em seu entorno, afetam aqueles que trabalham na agricultura ou vivem nas proximidades de áreas agrícolas, além, é claro, de toda a população que consome produtos agrícolas e animais. Então, quem se beneficia com a liberação crescente dos agrotóxicos?

O mercado brasileiro de agrotóxicos expandiu rapidamente na última década (190%) e bateu novos recordes de janeiro ate julho desse ano, colocando o Brasil em primeiro lugar no ranking mundial desse negócio muito lucrativo. Os que mais lucram com a desregulamentação e flexibilização da legislação para favorecer esse mercado é a indústria química, a de sementes, os grandes proprietários de terra e o setor financeiro.
 

Muitas empresas estrangeiras fizeram do Brasil um importante consumidor de seus produtos, vendendo inclusive produtos proibidos em seus países de origem. Entre elas estão a Helm e a BASF (alemãs) e a Adama e a Syngenta (China). Alguns exemplos de substancias proibidas liberadas em 2019 no Brasil:

- a Helm aprovou um agrotóxico com uma substância chamada diquate. Ela foi proibida na União Europeia porque pode prejudicar o sistema hormonal humano e é ameaça para aves e mamíferos;

- a Syngenta vendeu diversos produtos contendo atrazina, um herbicida que é proibido na União Europeia desde 2003 porque pode causar problemas cardíacos em humanos e estragos na vida sexual de sapos machos (já sabemos que o aumento da malária, dengue, etc. provocada na região da multinacional Vale aconteceu em razão da mortandade dos sapos);

O que ganham essas e outras empresas envolvidas nesse negócio? Um dos ganhos mais importantes é a desoneração fiscal.

Quem perde? A política de desoneração fiscal impede a arrecadação de muito dinheiro. Só em 2018, os cofres públicos deixaram de arrecadar R$ 2,07 bilhões com isenções fiscais dadas a venenos. Por outro lado, o governo gasta muito no tratamento de intoxicações agudas, tratamentos de câncer e doenças crônicas provocadas pelas substâncias presentes nos agrotóxicos. Ou seja, os maiores prejudicados com essa política somos nós que não temos acesso à alimentação saudável e as futuras gerações herdeiras da água e do solo contaminados.  

Maria Claudia de Almeida Viana Junqueira, diretora e coordenadora do Encontro dos Professores Representantes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.
Campo destinado a comentários relacionados à notícia. Duvidas sobre Vida Funcional devem ser encaminhadas aos respectivos setores.
Clique aqui para ver os contatos.